As eleições de 2018 evidenciaram um Brasil completamente marcado pela polarização. De um lado, a expectativa do fim da era petista e o retorno de um governo baseado no conservadorismo, representados pelo candidato Jair Messias Bolsonaro (PSL); do outro, pessoas temerosas por um suposto fim da democracia e direitos sociais, representados por Fernando Haddad (PT).  Não houve meio termo. O Brasil conseguiu superar o dualismo de 2014 entre Aécio Neves e Dilma Rousseff.

Antes do resultado, uma onda de otimismo tomava conta dos dois lados, principalmente, por parte dos eleitores de Bolsonaro. Entretanto, o aumento nas intenções de voto para Fernando Haddad criou a sensação de que poderia haver uma virada na reta final da corrida presidencial, como afirmou o militante petista Pedro Henrique. “Espero que Fernando Haddad vença as eleições pelas minorias, pela democracia e pelo combate ao fascismo. A única esperança de resistência que ainda nos resta é votar 13, esperar que a justiça seja feita e a democracia prevaleça”, comentou minutos antes do capitão da reserva do Exército ser proclamado presidente eleito do Brasil.

Exatamente às 19h, com 86% das urnas apuradas, veio a confirmação do que já previam as pesquisas eleitorais: Bolsonaro eleito o 42º presidente da história do Brasil e o oitavo desde o fim do Regime Militar, encerrando a hegemonia petista que não perdia uma eleição presidencial desde 1998.

Como já era de se esperar, centenas de pessoas encheram as ruas do Centro de Valadares, em carreata e a pé, e se concentraram na praça dos Pioneiros para comemorar a eleição do “mito”, como é aclamado pelos apoiadores. O servidor público Rubens Drumond, que fez questão de ir para as ruas comemorar a vitória do candidato, destacou que a eleição de Bolsonaro representa o fim de um governo marcado por contradições e corrupção, e acredita que o militar é uma renovação na política nacional. “Bolsonaro me representa em várias questões ideológicas. Eu sou homoafetivo e votei nele nos dois turnos porque sou contra a ideologia de gênero imposta pela esquerda. Ele vai transformar essa nação dando um governo justo ao povo brasileiro”, disse confiante o servidor.

O coronel da Polícia Militar reformado Marcius Túlio Amaral Pereira comenta que a eleição de Bolsonaro representa uma nova mentalidade dos brasileiros, mais voltada para as questões nacionais sem o viés ideológico. “A eleição de Bolsonaro representa uma mudança no modo de pensar das pessoas. Hoje estamos numa democracia, e é importante que não haja ideologias. O importante é o sentido de ser brasileiro, de querer o melhor para o Brasil sem o viés ideológico”, disse o coronel.

Eleição expressiva em Valadares

Dentre os maiores colégios eleitorais de Minas Gerais (Belo Horizonte, Uberlândia, Contagem, Juiz de Fora, Betim, Montes Claros, Uberaba e Governador Valadares), Governador Valadares foi a cidade que rendeu o maior percentual de votos válidos para Bolsonaro: 71,07% (94.067 votos), contra 28,93% de Fernando Haddad (38.293 mil votos).

O deputado estadual eleito pelo PSL e um dos coordenadores regionais da campanha de Bolsonaro, Coronel Sandro Lúcio Fonseca, pontua que o resultado das urnas representa o desejo dos brasileiros por uma mudança política radical e a preservação dos valores familiares, bandeiras defendidas pelo presidente eleito. “A eleição de Bolsonaro veio consolidar o desejo de milhões de brasileiros de uma mudança real do destino do país. É uma mudança em todos aspectos: políticos, morais, sociais e econômicos. O brasileiro, hoje, quer resgatar valores que foram perdidos no passado, como a moral, os bons costumes, o respeito, proteção de crianças na escola e também a defesa de propriedade. A eleição de Bolsonaro significa uma varredura da velha política”, destacou o deputado estadual eleito.

Resultados das urnas nos maiores colégios eleitorais de Minas Gerais

Belo Horizonte: Jair Bolsonaro (PSL) 901.513 (65,59%) – Fernando Haddad (PT)  472.887 (34,41%)

Uberlândia: Jair Bolsonaro (PSL) 218.367 (63,03%) – Fernando Haddad (PT) 128.070 (36,97%)

Contagem: Jair Bolsonaro (PSL) 202.384 (65,74%) – Fernando Haddad (PT) 105.418 (34,25%)

Juiz de Fora: Jair Bolsonaro (PSL) 145.333 (52,36%) – Fernando Haddad (PT) 132.237 (47,64%)

Betim: Jair Bolsonaro (PSL) 122.576 (62,03%) – Fernando Haddad (PT) 75.026 (37,97%)

Montes Claros: Jair Bolsonaro (PSL) 108.640 (58,16%) – Fernando Haddad (PT) 78.142 (41.84%)

Uberaba: Jair Bolsonaro (PSL) 106.569 (65.62%) – Fernando Haddad (PT) 55.842 (34,38%)

Governador Valadares: Jair Bolsonaro (PSL) 94.067 (71,07%) – Fernando Haddad (PT) 38.293 (28,93%)