Central do Assinante







PUBLICIDADE


AS MAIS LIDAS
Página Inicial:: >> Notícias de Valadares e Região >> Abre Aspas >>
terça-feira, 7 de maio de 2013

‘União é fundamental para o desenvolvimento da região’

Segundo Ângelo Coelhos dos Santos, presidente da Adeleste, a partir do momento em que as pessoas se encararem como cidadãos e quererem o bem para a região, vai existir o crescimento
FOTOS: Agatha Brunelly
O ECONOMISTA é presidente da Adeleste e tesoureiro da CDL. Ele destaca que Valadares vive um momento ímpar e precisa aproveitar essa situação para se estruturar. ÂNGELO COELHO defende a união de entidades e políticos para o desenvolvimento de Valadares e do Leste de Minas
GOVERNADOR VALADARES -
Economista formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), comerciante, presidente da Agência de Desenvolvimento do Leste de Minas Gerais (Adeleste), tesoureiro da Câmara de Dirigentes Lojistas de Governador Valadares, Ângelo Coelho dos Santos, conhecido também como Janjão, em entrevista concedida ao DIÁRIO DO RIO DOCE falou sobre a criação da Adeleste, a duplicação da BR-381 e comentou a respeito do gasoduto.
“Apartidário convicto”, Ângelo destaca que somente a união das entidades de classe e do poder público podem contribuir para o fortalecimento e crescimento da cidade e região. O presidente da Adeleste ressaltou ainda que “a briga política trava um pouco a atração de desenvolvimento”. 

DIÁRIO DO RIO DOCE — Conte um pouco do seu perfil, do seu histórico? 
ÂNGELO COELHO —  Sou natural de Governador Valadares, nascido e criado aqui. Morei fora alguns anos para estudar, e me formei em economia na Universidade Federal de Minas Gerais [UFMG]. Depois voltei para a cidade com o intuito de tentar participar de coisas de família. No início montei alguma coisa por fora, mas depois peguei a empresa do meu pai, junto com a minha esposa. Pegamos a empresa e a desenvolvemos. Era uma empresa só de cortinas, e depois nós partimos para o ramo de móveis e decoração em geral.

DRD — Uma empresa, como disse, de família... Tinha vontade de resgatar isso?
ÂNGELO COELHO — Na verdade, não. É mais porque a gente tem a vocação comercial e queríamos desenvolver o comércio dentro da realidade atual. Porque se passaram outras épocas, e meu pai tinha muita coisa voltada para os tecidos. Uma fase que se passou. E como tinha uma loja só de cortinas, a gente desenvolveu mais para móveis e decorações.

DRD — Indo nessa direção de desenvolvimento, as instituições de classe, bem como órgãos de representação do município, têm lutado para que a BR-381 seja duplicada. A Adeleste tem participado desse movimento?
ÂNGELO COELHO — A gente participa de tudo. Mas a duplicação surgiu com um movimento da Fiemg [Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais]. Eles convocaram diversas entidades municipais como também entidades envolvidas em âmbito estadual. E a gente também se engajou, como presidente da Adeleste e como integrante da CDL, porque uma coisa que a gente precisa na região, e é fundamental, é a união. Valadares tem que parar com esse negócio de que uma ala traz uma coisa para Valadares, e levanta essa bandeira; e uma outra ala política traz uma outra coisa para Valadares, e levanta essa bandeira. Isso é uma vaidade tola que não traz benefício nenhum para a cidade. Acho que a união é fundamental para o desenvolvimento da região. Podem existir as questões políticas, mas se não houver uma união a gente não vai conseguir esse desenvolvimento. A partir do momento em que entra o lado político, isso acaba desvirtuando a questão.

DRD — Essa briga ‘trava’ um pouco a atração para o desenvolvimento?
ÂNGELO COELHO — Totalmente. A partir do momento em que as pessoas se encararem como cidadãos que querem realmente o bem para a região, e se unirem em função disso, vai existir o desenvolvimento. E completando sobre a BR-381: essa questão de trazer esse movimento da Nova 381 serve pra quê ? Para a própria região despertar, porque já houve a licitação e foi cancelada. Vão ser abertos novamente os editais, e esperamos que não sejam cancelados novamente. Por isso queremos que as pessoas se cadastrem no site www.nova381.org.br. Seria bom as pessoas se cadastrarem e participarem. Quando entrarem no site, terão todas as informações da região.

DRD — Outra questão que observamos que está em 'fervor' no município é a situação da educação e a saúde. Com a construção da UFJF, o IFMG, o Hospital Regional,  investimentos no próprio Hospital Municipal, como a Adeleste vê este momento para o município?
ÂNGELO COELHO — O momento é único, ímpar. Um momento em que a gente realmente tem que cobrar da melhor forma possível essa instalação da Universidade Federal de Juiz de Fora [UFJF], a instalação do hospital. Então, volto a repetir: não adianta um movimento isolado para a UFJF, e um movimento isolado para o hospital. O que deve existir é um movimento unificado. Só vamos colher frutos em função de educação a longo prazo. Educação não é um investimento que vem em curto prazo: só vem com resultado a longo prazo. Da mesma forma a saúde: a partir do momento em que se investir em saúde, e houver melhorias na qualidade de vida, isso auxiliará no desenvolvimento. Agora, precisa de união e da cobrança de todas as partes.

DRD — Do seu ponto de vista como comerciante, esse desenvolvimento tanto na educação quanto na saúde irá atrair investimentos para o comércio?
ÂNGELO COELHO — Com certeza, porque mais pessoas vão vir para serem atendidas nos hospitais, outras virão de fora para estudar, e isso só traz benefícios para a cidade e região. Porque, além de ela ser bem vista lá fora, vai proporcionar o aquecimento do comércio. Mais pessoas vão estar na cidade se movimentando, se locomovendo. Isso tudo traz desenvolvimento para a região.

DRD — Sobre a  atração de mais investimentos, o Laticínio Piracanjuba está instalando-se no município. Isso gerará mais empregos na cidade?
ÂNGELO COELHO — Sem dúvida. Tanto na construção quanto na instalação da fábrica, no primeiro momento, vai gerar diversos empregos. Uma luta da prefeitura, junto com o pessoal da Associação Comercial e Empresarial [ACE-GV], com o próprio Wellington Braga, que se envolveu diretamente nisso. Então, com certeza, trará benefícios imediatos para a cidade, como geração de empregos diretos, como no futuro a geração de novos empregos e a geração de renda para a cidade.

DRD — Como também o aumento na produção do leite...
ÂNGELO COELHO — Sim. Pois isso vai estimular os produtores e desenvolver mais a bacia leiteira da região.


DRD — O gás comprimido já é uma realidade no município. Mas a luta mesmo é para a chegada do gasoduto até a cidade. A Adeleste tem participado dessa discussão da vinda do gasoduto?
ÂNGELO COELHO — A Adeleste ainda é uma agência que existiu por força das entidades. Mas não tem recursos próprios. Então, a nossa participação, em todos esse sentidos, é uma participação de vontade, de apoio. Com relação ao gás comprimido, é uma solução em função da situação. A partir do momento em que não houve um movimento que pudesse trazer o gasoduto para a cidade, ele veio provisoriamente para atender à demanda. A partir do momento em que houver uma demanda maior, a gente acredita que o governo vai estender o gasoduto até Valadares. Agora, o que a gente pede ao governo é que ele venha ajudar a região, olhando-a com bons olhos. Temos que despertar isso nas autoridades governamentais do Estado, da Federação. Nisso aí cabe o movimento. Mas tem algumas coisas que são decisões políticas. Como também é o caso do aeroporto. O aeroporto é uma causa calamitosa para a nossa cidade. Não tem como aceitar mais uma cidade do porte de Valadares ter uma única empresa trabalhando com voos, quando outras podem trazer um mercado maior para a nossa cidade. Você vê que existia um projeto, esse projeto foi aprovado, saiu a verba e não foi implementado, mudaram o projeto depois, por que? A gente fica assustado com esse tipo de coisa. Tem algumas coisas que são decisões que a gente acha que, como empresário, precisa tomar. Mas no poder público as coisas são um pouco amarradas, um pouco paradas. A questão dos camelôs, por exemplo, é uma realidade. Em Belo Horizonte foi acertado, montaram um camelódromo. Valadares precisa fazer um estudo disso imediatamente. Os próprios camelôs querem essa regularização. E se houvesse um shopping popular, traria investimentos fundamentais para nossa cidade. Centralizaria tudo e isso atrairia pessoas da região toda para a cidade. Como nossa cidade é um polo comercial que temos orgulho de falar, isso seria um ponto a mais para Valadares.


DRD — Ângelo, falamos dos investimentos que estão sendo feitos na cidade, e outros que ainda estão por vir. Do seu ponto de vista, o que falta para o município se tornar  mais 'forte'?
ÂNGELO COELHO — Eu defendo muito essa questão. Já que a gente está com investimentos na educação e na saúde, precisamos nos fortalecer ao máximo e conclamarmos todas as entidades para se unirem realmente. Conclamo o poder público a realmente colocar pessoas que sejam profissionais em sua área, para atuar em cada área. Então, o que eu proponho é que as pessoas se unam para o bem da nossa cidade, mas que participem.

DRD — Quando a Adeleste foi criada e qual sua missão?
ÂNGELO COELHO — Na verdade, a Adeleste vinha de um estudo das diversas entidades que foram fundadoras dela. Diversas entidades e uma universidade da cidade se juntaram para se fazer uma agência de desenvolvimento. A Adeleste, como o próprio nome diz, é a Agência de Desenvolvimento do Leste Mineiro. Ela abrange algumas cidades do entorno de Governador Valadares. O objetivo é agregar as forças políticas e as entidades para fazer algum movimento em prol da cidade e região. Ela foi fundada em novembro de 2011 e o intuito é integrar instituições públicas e privadas com foco na formulação de projetos e captação de recursos para a  aceleração de investimentos em cadeias produtivas e promoção do desenvolvimento sustentável do Leste de Minas Gerais. A Adeleste é certificada como Oscip [Organização da Sociedade Civil de Interesse Público], ou seja, uma entidade sem fins lucrativos, que tem como visão ser reconhecida como agência indutora do desenvolvimento regional, atuando fortemente junto a governos,  iniciativa privada e o terceiro setor, para o enriquecimento do Vale do Rio Doce.









COMENTE ESTA NOTÍCIA


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA






NOTÍCIAS RELACIONADAS